Weby shortcut
Reitor participa de Lançamento do Instituto Fórum do Futuro

Reitor da UFG participa de lançamento do Fórum do Futuro

Em evento no Palácio das Esmeraldas, o Instituto Fórum do Futuro apresentou o Projeto Biomas

Texto: Ana Paula Vieira

Fotos: Pablo Lisboa

O reitor da UFG, Edward Madureira, esteve no Palácio das Esmeraldas na manhã dessa segunda-feira (10/1), em uma reunião de apresentação do Projeto Biomas, do Instituto Fórum do Futuro, um grupo de reflexão independente, voltado para o debate de questões estruturantes da sociedade brasileira, a partir perspectiva do desenvolvimento sustentável.

O gerente executivo do Instituto, Fernando Barros, apresentou o Projeto Biomas, que tem como objetivo principal aprofundar o conhecimento científico dos Biomas Tropicais instalados no Brasil, visando identificar os limites sustentáveis de uso dos seus recursos naturais. Segundo Barros, a ideia é criar uma nova narrativa da cadeia de valor do alimento, valorizando a conexão do agronegócio com a produção sustentável e com a ciência.

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado, destacou o protagonismo do estado na agropecuária: . “Estamos ganhando na ciência, na genética e na pesquisa. Goiás é um estado forte e vai ser uma referência com a ajuda de vocês. A instalação do Fórum do Futuro é um orgulho”, afirmou.

O governador também sugeriu a realização de ações do Projeto na região nordeste do estado de Goiás. De acordo com o reitor Edward Madureira, Caiado motivou a UFG a participar de uma iniciativa para a busca de alternativas econômicas para a região, com enfoque na fruticultura. “A UFG está pronta para contribuir”, enfatizou o reitor.

Reitor participa de evento de apresentação do Projeto Biomas, do Instituto Fórum do Futuro
Reitor participa de evento de apresentação do Projeto Biomas, do Instituto Fórum do Futuro

 

O Projeto

O evento realizado no Palácio das Esmeraldas contou com a presença de empresários, pesquisadores, reitores de instituições de ensino de Goiás, representantes do Fórum do Futuro e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

O coordenador científico do Instituto Fórum do Futuro, Rodrigo Maule, afirmou que o Projeto Biomas tem o objetivo de trazer a academia para falar diretamente com a realidade do campo e que uma das ideias é criar um fundo de pesquisas de forma que universidades e entidades de pesquisas participem. A iniciativa já conta com as Universidades Federais de Viçosa (UFV), de Lavras (Ufla) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

A importância da ciência, da tecnologia e da inovação foi citada por várias das autoridades presentes. O representante assistente da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, Gustavo Chianca, lembrou que diante do aumento das migrações e das mudanças climáticas, cada vez mais a FAO e o mundo precisam do Brasil para a produção de alimentos de forma sustentável, a partir das tecnologias criadas no País.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), José Mário Schreiner, destacou os números da produção goiana: “Em uma safra, Goiás produz para alimentar a população do estado por 13 anos. Isso foi desenvolvido por pesquisadores e agricultores do nosso País”. Para o secretário de Desenvolvimento e Inovação do estado de Goiás, Adriano da Rocha Lima, é importante que a academia se conecte com a sociedade.

O presidente do Instituto Fórum do Futuro, Alysson Paolinelli, que foi ministro da Agricultura entre 1974 e 1979, enfatizou que o Brasil tem um potencial de riquezas que o mundo reconhece: “Nossos biomas têm muito a oferecer. Temos certeza de que podemos gerar novos conhecimentos e inovações a partir da integração com universidades e com a iniciativa privada”.

Fonte: Reitoria Digital

Categorias: notícias