Weby shortcut
Reitor participa da abertura do Seminário, juntamente com representantes da UFG, do município e do Movimento Negro

Comissão de Heteroidentificação promove Seminário de Capacitação

Reitor Edward Madureira participa da abertura do evento e destaca importância da Comissão

Texto e foto: Ana Paula Vieira

Na manhã dessa quinta-feira (13/1), servidores da UFG participaram do Seminário de Capacitação da Comissão de Heteroidentificação. A Comissão tem o objetivo de aferir a condição autodeclarada pelo candidato em sua autodeclaração como negro (preto e pardo) e indígena, durante o processo seletivo Sisu/UFG. O reitor da UFG, Edward Madureira, esteve na abertura do evento, que também contou representantes de setores da UFG, do município de Goiânia e do Movimento Negro Unificado.

A Comissão de Heteroidentificação é uma das quatro comissões que atuarão na etapa presencial da matrícula dos aprovados no Sisu/UFG, que ocorre nos dias 20, 21 e 27 de fevereiro na Regional Goiás e nas Universidades Federais de Jataí (UFJ) e de Catalão (UFCat) - que se tornaram independentes mas cujas vagas de 2020 ainda integraram o Sisu/UFG -, e nos dias 18, 19, 20, 21 e 27, na Regional Goiânia. As outras verificações serão feitas pelas Comissões de Escolaridade, de Análise da Realidade Socioeconômica e de Verificação da Condição de Deficiência. 

O reitor Edward Madureira agradeceu a Comissão e ressaltou a relevância do trabalho desenvolvido: “Precisamos nos fortalecer e demonstrar a importância dessa política, continuando nessa luta e nessa agenda da inclusão, que é fundamental”. 

Reitor participa da abertura do Seminário, juntamente com representantes da UFG, do município e do Movimento Negro
Evento contou com representantes da UFG, do município de Goiânia e do Movimento Negro

 

Capacitação

A representante do Movimento Negro Unificado, Iaracelia Leal de Souza, afirmou que é uma honra participar do evento, pela importância da Comissão, e agradeceu o convite. Ela proferiu uma palestra em que discutiu temas como raça, racismo estrutural e racismo institucional. 

A integrante do Conselho Municipal de Igualdade Racial, Cecília Maria Vieira, também ressaltou a importância da qualificação para a formação das pessoas que participam das bancas de heteroidentificação. O representante da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Políticas Afirmativas, Dilmo Luiz Vieira, enfatizou a importância da afirmação da identidade negra e informou que a Secretaria está indo a escolas falar sobre políticas afirmativas. 

Para a presidente da Comissão de Heteroidentificação da Regional Goiás, Camila Marques Menezes, o trabalho das Comissões não é apenas técnico, mas também uma atitude de democratização, no sentido de contribuir para modificar a desigualdade social. O presidente da Comissão de Heteroidentificação da Regional Goiânia, Pedro Cruz, também agradeceu a participação de todos e ressaltou que o evento tinha transmissão ao vivo para integrantes das Comissões de Jataí, Catalão e Goiás. 

A coordenadora da Coordenadoria de Ações Afirmativas da UFG, Marlini Dorneles de Lima, destacou a importância das parcerias firmadas pelas Comissões, com técnicos, docentes, e movimentos sociais. 

Para saber mais sobre as Comissões e o Sisu/UFG, acesse: sisu.ufg.br. 



Fonte: Reitoria Digital

Categorias: Notícias